O Movimento Armorial resgata a cultura nacional de raiz, tomando-a como a mais nobre de todas as expressões ocorrentes. Utiliza-se o folclore e seus elementos puros como a rítmica, a dança ritualista, as melodias que descrevem a natureza, como o canto de pássaros e o rugir de uma onça, montando espetáculos populares refinados e ricos. Segundo Ariano Suassuna, fundador do movimento, a estética armorial reflete o que seria um “Monarquismo Popular”. Daí a importância de se valorizar esse movimento. Abrangendo não somente a música, mas também as artes plásticas, o cinema e a literatura, o movimento armorial buscou uma "independência cultural" fundamentada nas ricas manifestações folclóricas existentes no país. Reunindo o popular com o erudito, investigando e recuperando melodias barrocas preservadas pelo romanceiro popular, os sons de viola, dos aboios e das rabecas dos cantadores, o Movimento Armorial realizava a sua "recriação" da música popular através do desenvolvimento dos elementos eruditos já contidos nela, criando, assim, subsídios para formar uma tradição musical no Brasil.
Inicialmente no nordeste, a ​
ROSA ARMORIAL pretende trazê-lo ao Paraná, incluindo elementos da música folclórica paranaense em seus arranjos com objetivo de difusão da nossa cultura, mesclando com o repertório tradicional do movimento armorial, buscando assim uma sonoridade genuinamente brasileira.